Nos últimos anos, um dos assuntos mais estudados no mundo dos negócios e mercado de trabalho foi a geração Millenium, sendo essa a geração mais pesquisada da história! Jovens como Mark Zuckerberg e o fenômeno de se tornar milionário com vinte e poucos anos foram acompanhados de perto por todo o mundo, enquanto líderes de negócio tentavam entender como aproveitar essa força de trabalho dentro das organizações.

Agora que a geração Y já conquistou seu espaço e já não é mais tão jovem assim, um novo tema está emergindo entre os pesquisadores, atentos a uma nova geração de jovens nascidos em meados da década de 90 e 2000 e que, ao que tudo indica, irão mudar novamente a dinâmica das relações no mercado de trabalho.

Os jovens da Geração Z, que até 2020 serão 20% da força de trabalho mundial, são movidos por valores, possuem mentes empreendedoras, uma curiosidade ilimitada e, é claro, já nasceram conectados. Segundo o estudo “Millenial Branding: Gen Y And Gen Z Global Workplace Expectations”, 72% dos estudantes do ensino médio querem abrir o próprio negócio e 61% dos alunos preferem ser um empreendedor do que um funcionário.

Embora tenhamos que considerar e compreender que as atitudes de todas as gerações sejam influenciados pelo contexto de transformação digital na qual estamos todos inseridos, não deixa de ser igualmente importante ressaltar que as características como autonomia e liberdade para criar e empreender serão fundamentais na escolha profissional desta geração e, as empresas que quiserem aproveitar o potencial destes que serão os grandes influenciadores dos próximos anos, precisarão, mais do que nunca, criar ambientes favoráveis ao desenvolvimento da Gen Z.

Mas, afinal, é possível empreender dentro de uma empresa? O termo intraempreendedorismo (do inglês “intrapreneur”) foi criado para designar processos que ocorrem internamente em uma organização, nos quais os colaboradores são responsáveis por criar e implementar projetos de inovação e onde o uso da tecnologia, o encorajamento de novas ideias e as equipes multidisciplinares são fatores intrínsecos.

De maneira geral, a criação de um ambiente que favoreça o empreendedorismo interno requer atenção a alguns fatores: perfil dos colaboradores, cultura organizacional e liderança.

Como no caso da geração Z, já existe uma tendência natural ao empreendedorismo, cabe às organizações investirem na criação de um ambiente favorável, por meio de uma cultura colaborativa, autonomia, estruturas flexíveis e, principalmente, o apoio contínuo das lideranças. Desta maneira, estes jovens poderão, desde cedo, construir um futuro profissional com propósito e significado e as organizações poderão aproveitar este potencial para gerar vantagem competitiva.