Você sabia que 60% dos novos líderes falham nos dois primeiros anos em seu cargo de gestão? Sim, trata-se de uma estatística assustadora, tanto para as organizações, quanto para esses gestores de primeira viagem. Mas esta é uma etapa da carreira que não deve ser menosprezada em suas dificuldades, pois é uma das mudanças mais desafiadoras na vida de um profissional.

Assumir o cargo de gestão pela primeira vez é um período de tensão e de muitas mudanças, autodesenvolvimento e aprendizado: deve-se reaprender a pensar, sentir, decidir e agir – agora na cadeira de líder, que traz consigo novos papéis e responsabilidades.

E no cenário em que vivemos atualmente, pautado pela transição digital, há ainda a questão de quão disruptivas as tecnologias podem ser na definição dessa nova geração de líderes. A era digital é marcada por inúmeras transformações estruturais que estão remodelando não somente as organizações, mas também a liderança: alterações tecnológicas rápidas e de longo alcance, globalização das informações e organizações menos hierárquicas e mais dispersas geograficamente. Ou seja, cada vez mais são necessários profissionais preparados para os desafios da primeira gestão e também para inspirar, executar, engajar e performar em um mercado de mudanças exponenciais.

Confira as 6 atitudes que sua organização pode ter para minimizar esses obstáculos e fazer com que seus novos líderes não falhem:

1. Deixe claro o que muda na passagem de colaborador individual para gestor de primeira viagem

Uma das primeiras dúvidas que abalam o novo gestor é com relação a suas competências: ele percebe que as habilidades que o levaram até ali, não serão as mesmas que o tornarão um gestor de sucesso. Por isso, é papel do RH orientar esse profissional neste momento de transição, esclarecendo o que deverá ficar para trás e o que adotar de agora em diante.

Ele deverá mudar o seu mindset de:

  • executor para generalista;
  • técnico para maestro;
  • independente para interdependente;
  • tarefas para pessoas;
  • falar para ouvir;
  • fazer para delegar e engajar.

2. Alinhe expectativa e realidade

As mentes dos colaboradores são povoadas por muitos estereótipos e fantasias sobre o que é ser um gestor. Dois grandes mitos que precisam ser esclarecidos são com relação à autoridade e controle. Para os times, os gestores tudo podem e tudo controlam, quando na realidade eles também sofrem cobranças – até mais intensas – e o seu real poder não é autoritário, mas sim está na capacidade de influenciar e estabelecer credibilidade com suas equipes. É preciso disseminar os valores de confiança e colaboração e acabar com a ideia de que ser gestor está ligado à autoridade e cobrança.

3. Ofereça conhecimento, ferramentas e experiências de desenvolvimento

Gestores de primeira viagem precisam ter uma imagem clara do seu estilo de liderança, pontos fortes e fracos – e para isso é necessário promover ações que desenvolvam seu autoconhecimento e maturidade.

Mas eles também precisam ter à disposição uma variedade de instrumentos em seu novo kit de ferramentas de liderança. Como alocar o tempo? Quais atividades priorizar no dia a dia? Eles podem saber que precisam se comunicar ou dar feedback – mas como fazer isso da melhor forma possível? Esse conhecimento precisa estar à mão, de forma fácil e no momento da necessidade e tomada de decisão.

Invista em estratégias, ferramentas e experiências de desenvolvimento para que fortaleçam as habilidades críticas, utilizando conteúdos, abordagens e formatos compatíveis com o contexto e os desafios que irão enfrentar.

4. Quer líderes digitais? Ofereça a eles ferramentas digitais

Com a tecnologia, a oportunidade de adquirir conhecimento está ao alcance das mãos. E para desenvolver líderes que saberão como enfrentar com sucesso as adversidades impostas pela era digital, é preciso oferecer oportunidades de desenvolvimento igualmente digitais.

Hoje já há opções que vão de encontro a esta necessidade de conhecimento on demand, just in time.

  • Mobile Learning: permite o treinamento a partir de qualquer dispositivo conectado à internet – desktops, tablets, smartphones – e de qualquer lugar – em casa, no trabalho, em trânsito. O aluno aprende de forma autodirigida, contextualizada, no momento e local em que considera mais adequado.
  • Adaptive Learning: esta tecnologia considera que cada indivíduo aprende de forma particular e possui um nível de conhecimento próprio. Para isso, ajusta a experiência de aprendizagem ao progresso e interação do aluno com a plataforma, que identifica suas dificuldades, construindo assim uma experiência única e individualizada.

5. Não responsabilize seus novos gestores pelo sucesso inicial

Responsabilizar o líder em transição única e exclusivamente por seu sucesso é algo que – além de cruel – muito provavelmente o levará ao fracasso.

Lembre-se: mais da metade dos novos gestores falha em seus dois primeiros anos. Portanto, o mais assertivo é fornecer a esses profissionais uma rede de suporte vital e responsável, formada por pares, equipe e líderes sêniores – estes últimos são uma das figuras mais procuradas em momentos de dúvidas e dificuldades. Ter o apoio do superior direto é fundamental para minimizar possíveis inseguranças.

6. Assuma – de uma vez por todas – a reinvenção e aprendizagem contínuas

Esta última dica é válida não somente para os profissionais que enfrentam a cadeira de gestão pela primeira vez, mas também para empresas e RHs de forma geral. O digital chacoalhou todas as organizações e também os profissionais que tinham em mente uma trajetória estável, linear e até, de certa forma, previsível.

Hoje, nessa sociedade do conhecimento, o que não sabemos tem tanto peso quanto o que já dominamos. Qualquer profissional que deseja prosperar, deve se colocar em um lugar de constante reinvenção. É importante que o RH alerte esses gestores de primeira viagem para que conheçam seus limites e tracem estratégias para adquirir os conhecimentos que ainda não possuem. Todos devem estar em constante evolução, preparados para lidar com o novo e inesperado. Para ser bem-sucedida, a liderança deve ser pautada por uma postura open-minded e por uma busca constante pelo conhecimento. E os primeiros 90 dias podem ser um exercício para encarar e incorporar esse mindset por toda a carreira.

Baixe o e-book agora!

Referências:

3 Ways to Help First-Time Managers Succeed – Center for Creative Leadership

How to be a leader in the digital age – World Economic Forum

Why new leaders can’t succeed alone – World Economic Forum