O ano de 2018 promete ser cheio de desafios – e boas perspectivas – para quem trabalha com vendas no varejo. A previsão de retomada da economia somada  às constantes inovações tecnológicas irão impactar cada vez mais a relação de compra e venda e exigir, das empresas, estratégias eficientes para adaptar-se e atender às demandas de um público cada vez mais exigente.

Embora o cenário esteja mais complexo e desafiador, aqueles que souberem se preparar terão muitas razões para estar otimista com as vendas em 2018. Por isso, conhecer as tendências para o varejo no próximo ano é o primeiro passo para definir as diretrizes do setor e conquistar e reter mais clientes, saindo na frente na busca por maior competitividade.

Atendimento omnichannel

Essa, que já era uma tendência em 2017, promete se intensificar no próximo ano. Com o consumidor cada vez familiarizado com a tecnologia e transitando naturalmente entre os diversos canais da marca (no ambiente real e virtual), as empresas precisarão investir na integração destes canais, visando um atendimento que facilite a jornada do consumidor até a efetivação da compra.

Aperfeiçoamento de dados

Com a tendência cada vez maior do compartilhamento de dados, principalmente por meio de aplicativos ou redes sociais integrados aos canais da marca, as empresas terão a oportunidade de aperfeiçoar a análise e uso dessas informações para criar experiências de compra cada vez mais ricas, interativas e personalizadas, aumentando a retenção de clientes e conquistando verdadeiros embaixadores da marca.

Cliente no centro da estratégia

No ano de 2018, as empresas que conseguirem enxergar os consumidores além de números e colocar a experiência do cliente no centro da estratégia de venda obterão maior vantagem competitiva. Em outras palavras, isso significa utilizar tanto elementos de tecnologia quanto investir no capital humano, para proporcionar uma jornada significativa para o consumidor em todos os canais da empresa, seja no ambiente virtual ou presencial.

Mudanças no ponto de vendas

Se antes o ponto de venda era apenas um espaço físico de efetivação da compra, nos próximos anos a tendência é que ele se torne um ponto de relacionamento. Ou seja, mais que produtos à mostra, será preciso ter funcionários que saibam não apenas vender, mas tirar dúvidas, ouvir e, sobretudo, construir um relacionamento com os clientes que vão até a loja.

Colaborador como consultor

Se o ponto de vendas se tornará, cada vez mais, uma extensão dos outros canais de relacionamento como o cliente, por sua vez os vendedores precisarão se atuar como consultores, sendo treinados para orientar, educar, dar dicas e recomendações, tanto sobre o uso do produto, quanto sobre assuntos relacionados ao universo da marca.

O ano de 2018 virá repleto de tendências, desafios e novas perspectivas para o varejo, sendo que a tecnologia e o foco na experiência serão os dois grandes pilares que ditarão as regras para o setor. As empresas que, desde já, começarem a investir nesses dois caminhos terão motivos de sobra para estarem otimistas neste e nos próximos anos.