Ao se tornar um gestor, é natural que haja grande preocupação em torno dessa nova posição e dos desafios que ela carrega. Porém, este é um momento que, frequentemente, não vem acompanhado de preparação: 85,5% dos gestores de primeira viagem afirmam não ter recebido treinamento formal, ou seja, aprenderam a exercer a função a partir da tentativa e erro [1].

Segundo pesquisa com pessoas recém-promovidas ao cargo de gestão, 69% se sentiam despreparadas para seus novos papéis e 45% tinham “uma compreensão mínima” dos desafios que enfrentariam como líder [2].

Devido a essa falta de orientação, muitos profissionais acabam se sentindo inseguros e tentam compensar esse sentimento com atitudes exageradas, na intenção de parecerem perfeitos aos olhos de sua equipe, pares e superiores. Na prática, essa obsessão por perfeccionismo pode ter o efeito contrário na equipe, que pode acabar enxergando seu novo líder como um gestor intolerante, que não admite falhas – nem suas e nem do time.

Confira abaixo as cinco maiores inseguranças que acompanham a transição para o primeiro cargo de gestão e como trabalhar esses pontos:

Preciso dar conta de tudo sozinho

Se o colaborador individual realizava suas tarefas sozinho, o gestor de primeira viagem precisa entender que não se tornou um super-herói que deve dar conta das suas atividades novas e antigas. Como líder, ele passa a realizar o seu trabalho também a partir de sua equipe e subordinados. É ele quem deve estabelecer a agenda e reger a orquestra – lembrando que criar interdependência é essencial para obter resultados por meio do trabalho de outras pessoas. Conversar com outros líderes e ter o seu superior direto como ponto de apoio também é fundamental para minimizar essa insegurança.

Preciso ser perfeito

É comum que novos líderes sintam que não são competentes, afinal, ganhar um cargo de gestão é uma das etapas mais desafiadoras da carreira profissional. Para driblar e compensar essa sensação de insegurança, eles podem agir tentando ser perfeitos em tudo. Mas esse perfeccionismo tem impactos negativos na gestão, pois um bom líder sabe reconhecer seus erros e faz uso dessas imperfeições com orgulho. Como? Ele fala sobre seus pontos fracos com os colaboradores e pede conselhos. Uma equipe precisa ter ciência de que o gestor está a par de suas próprias dificuldades e possui defeitos – isso traz a segurança de que, quando a equipe cometer um erro ou deslize, haverá compreensão. Também faz parte das atribuições do cargo saber ouvir um feedback – positivo ou negativo, encorajar a sinceridade e se desculpar ao cometer falhas.

Preciso ser justo

Muitas vezes o mundo dos negócios não é justo – e isso pode gerar um alto nível de ansiedade e culpa em gestores recém-promovidos. O ideal é tentar ser sincero com os colaboradores quanto a eventuais desigualdades. Quando um líder busca meios de criar uma falsa sensação de homogeneidade, na verdade gera mais insegurança e apreensão em si mesmo, pois os profissionais sabem, instintivamente, que existem diferenças, hierarquias e posições dentro de um ambiente organizacional.

Preciso estar disponível o tempo todo

Segundo pesquisa [2], 2/3 dos executivos sentem que não têm tempo suficiente para seus colaboradores. Aqui, novamente, falamos em um meio termo: não é preciso adotar a postura de gestor inacessível, mas também não é necessário estar disponível o tempo todo, fornecendo respostas para tudo. O ponto-chave é ser honesto: defina limites e deixe clara a necessidade da equipe acioná-lo dentro desses parâmetros. Procure maximizar a qualidade do tempo com o time fazendo uso de processos criativos que podem ajudar todos os membros a ter um acesso compartilhado, ao invés de se prender a inúmeras conversas individuais.

Preciso ser adorado

Um líder inseguro deseja ser uma unanimidade e quer que todos pensem e falem bem sobre ele sempre, pois esta seria uma medida de sucesso. Isso pode levar o profissional a evitar lidar com conflitos e a se afastar desse tipo de situação quando, na realidade, é justamente ele que deve entrar em situações delicadas, sem medo de tomar decisões difíceis e até impopulares.

Referências:

[1] Pesquisa Primeira Gestão – Affero Lab

[2] 3 Ways to Deal With Your Insecurity as a New Leader – Inc.

The Naked Truth: How to Uncover an Insecure Leader – Inc.